quarta-feira, 5 de setembro de 2018

TRIBUTOS - 156


MORRE BEATRIZ SEGALL
 
Faleceu na quarta-feira 5 de setembro de 2018 a atriz Beatriz Segall, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, aos 92 anos.

Uma das grandes atrizes do Brasil, a artista fez uma sólida carreira de mais de 70 anos nos palcos, sets e televisão.

O papel que a imortalizou na teledramaturgia foi na novela Vale Tudo, em 1988, interpretando a vilã Odete Roitmann e parando o Brasil com a celebre pergunta: “quem matou Odete Roitmann?”

Beatriz havia passado um período internada no Albert Einstein, com problemas respiratórios, mas recebeu alta. Porém foi internada novamente, quando veio a falecer.

Discreta, a família não passou detalhes sobre o ocorrido. 

As fotos mostram a atriz em tempos diferentes, mas sempre ressaltam sua classe e destacam seu olhos, uma marca registrada.





O vídeo mostra a cena antológica da morte de Odete Roitmann. Em Vale Tudo, na Globo, 1988.











terça-feira, 4 de setembro de 2018

TRIBUTOS - 155

MORRE JOÃO PAULO ADOUR

Galã nos anos 60 e 70, o ator João Paulo Adour foi encontrado morto em seu apartamento na Gávea, no Rio de Janeiro, na terça-feira (4 de setembro de 2018), aos 78 anos.

Os vizinhos estranharam a falta de movimentação no apartamento do ator e entraram, encontrando-o sem vida e o apartamento revirado.

Há suspeitas que o artista, que morava sozinho, tenha sofrido um infarto.

Nascido João Paulo Adour da Câmara, no Rio de Janeiro, o ator participou de novelas de sucesso na Globo como A Ponte dos Suspiros, O Grito, Gabriela, Dona Xepa e outras.

Seu último trabalho foi na Manchete, na novela Novo Amor, em 1986. Depois disso, afastou-se para dedicar-se as finanças da família.





segunda-feira, 27 de agosto de 2018

TRIBUTOS - 154

MORRE HENRIQUE MARTINS


Henrique Martins, ator e diretor faleceu no domingo, 26 de agosto de 2018, em São Paulo, no Hospital Samaritano, onde estava internado havia três semanas.

Nascido Heinz Schlesinger, em Berlin, chegou ao Brasil com três anos de idade.

Começou em televisão em 1964, na telenovela da Tupi Se o mar contasse, protagonizando ao lado de Maria Isabel de Lizandra.

Como ator, seu maior destaque foi em O sheik de Agadir, na Globo, mas deixou inúmeras novelas. Foi também um atuante diretor.

Seu último trabalho foi no remake de Carrossel, no SBT, em 2012.




sexta-feira, 10 de agosto de 2018

O "PLÁ" DO EDITOR


REVISTA ELETRÔNICA AMPULHETA VIRTUAL

A Revista Eletrônica AMPULHETA VIRTUAL já está no ar.

Uma deliciosa viagem no tempo, relembrando coisas antigas da Televisão.

Histórias, bastidores, curiosidades, muitas fotos e vídeos.

Vale conferir.

Clique no link abaixo

https://issuu.com/mouranapoli4/docs/ampulheta_virtual_001



sexta-feira, 3 de agosto de 2018

O "plá"do Editor

Está chegando a Revista Eletrônica Ampulheta Virtual. Uma mescla entre as coisas antigas da TV e a modernidade dos dias de hoje.

Na revista você poderá fazer uma deliciosa viagem no tempo, acessando pelo computador, tablet ou até celular.

Bastidores, curiosidades e muitas informações das grandes séries, novelas, programas que marcaram época, propagandas inesquecíveis.

Vale a pena conferir. Na próxima semana já estaremos postando.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Tributos - 153

Morre Eloísa Mafalda


A atriz Eloísa Mafalda (Nascida Mafalda Theoto) morreu na noite da quarta-feira (16), em Petrópolis/RJ, aos 93 anos.

A atriz que há anos estava afastada da televisão, vinha sofrendo de problemas respiratórios e lutava contra o Mal de Alzheimer.

Natural de Jundiaí, onde nasceu em setembro de 1924, Eloísa deixou dois filhos, dois netos e dois bisnetos.

Na Globo, teve mais de 40 participações em novelas e seriados, sendo dentre tantos, destaque na primeira versão de A Grande Família (Dona Nenê) e nas novelas Saramandaia (Dona Pombinha) e Pedra Sobre Pedra (Gioconda Pontes).

O corpo está sendo velado em Jundiaí/SP, sua cidade natal.




terça-feira, 8 de maio de 2018

TRISTE FIM - 2

ISAURA BRUNO

Nascida Maria Isaura Bruno, em Jaú/SP, 23 de junho de 1926, Isaura Bruno faleceu em Campinas/SP, prestes a completar 51 anos, em 2 de maio de 1977.

Protagonizou um dos maiores sucessos de todos os tempos, O Direito de Nascer (Tupi). Isaura Bruno, aliás, foi a primeira negra a protagonizar uma novela no Brasil.

No papel de Mamãe Dolores, encarnou a sofrida ama de Albertinho Limonta, fazendo grande sucesso, em 1964. No mesmo ano ainda viveu Tia Anastácia na primeira versão do Sítio do Picapau Amarelo, também na Tupi.

Com Albertinho Limonta (Amilton Fernandes)
em Direito de Nascer. Primeiro e maior sucesso
Isaura Bruno nasceu numa fazenda em Jaú e logo aos três anos, ficou orfã de pai, vindo a perder a mãe aos 11 anos e passando a ser criada pela avó materna.

Já moça, gostava de frequentar bailes de gafieira, onde acabou conhecendo Walter Forster, que a convidou para trabalhar no cinema, onde fez, entre 1949 e 1975, seis filmes.

Na televisão, depois do sucesso de Direito de Nascer e Sítio do Picapau Amarelo, Isaura ainda fez O Preço de uma vida (Tupi 1965) dando vida a Mãe Maria, O anjo e o Vagabundo (Tupi 1966/1967) como Branca e, já na Globo, fez A Cabana do Pai Tomás, em 1969, na pela de Bessie.

Curiosamente em O Preço de uma Vida, O Anjo e o Vagabundo e Cabana do Pai Tomás, Isaura dividiu as câmeras com o galã Sérgio Cardoso.

Nos tempos áureos, ao lado do jogador Ivair e do massagista
Mário Américo, quando viajar de avião era uma rotina
Da mesma forma que o sucesso veio rapidamente, Isaura caiu no esquecimento na mesma velocidade.

Embora tivesse sido autora de um livro de culinária - Os quitutes de Mamãe Dolores - Isaura não recebeu mais convites para a televisão a partir dos anos 1970.

Pobre e esquecida, ganhava a vida nas ruas de Campinas vendendo balas. Isaura Bruno faleceu de ataque cardíaco.







sábado, 21 de abril de 2018

Cantores - 11




Antônio Marcos

Um dos grandes ídolos da Jovem Guarda, Antônio Marcos foi cantor, compositor, ator e humorista. Teve uma carreira de grande sucesso, entremeada com problemas de alcoolismo, que acabou levando-o a morte prematura.

Nascido Antônio Marcos Pensamento da Silva, em São Paulo, 8 de novembro de 1945, antes da fama foi office-boy e balconista em loja de calçados. Ainda jovem participou de programas de calouros e entre 1960 e 1962 destacou-se no programa de Estevam Sangirardi, na Rádio Bandeirantes, cantando, tocando violão e fazendo humor.

Com 22 anos integrou o coral Golden Gate e atuou em peças de teatro. Nesta época gravou seu primeiro disco, pela gravadora RCA, integrando o grupo Os Iguais. Seu primeiro grande sucesso já em carreira solo, foi Tenho um amor maior que o seu, de Roberto Carlos, já integrando a Jovem Guarda.

Dentre seus grandes sucessos, como cantor, estão também Oração de um jovem triste, Como vai você, e Namorada, cantando com Vanusa, sua esposa na época, além de O Homem de Nazaré, seu sucesso maior.
Pais quadrados... filhos avançados (1970) é um dos filmes de sucesso em que atuou. 

No teatro participou de algumas peças marcantes como Arena conta Zumbi (1969) e Hair (1970). Na televisão, chegou a protagonizar a novela Toninho on the rock’s, ao lado de Débora Duarte, na Tupi.

Antônio Marcos teve quatro casamentos: a cantora e atriz Vanusa, com quem teve as filhas Amanda e Aretha; a atriz Débora Duarte, tendo a filha Paloma; a modelo Rose, com quem teve o filho Antônio Pablo e nos últimos anos de vida, esteve casado com Cleonice Rossi Braga (enteada de Roberto Carlos).

O cantor também teve um caso com a atriz Miriam Mota, na época com 14 anos de idade, com quem teve o filho Manoel Marcos. Esse filho só foi reconhecido após a morte de Antônio Marcos por exame de DNA.

Quando casou-se com Vanusa estava no auge da Jovem Guarda, o casamento ficou bom tempo em sigilo, pois naquela época as fãs não admitiam que seus ídolos se casassem.

Grávida de Amanda, Vanusa chegou a ser hostilizada pelas fãs de Antônio Marcos, que demoraram para aceitar a união dos artistas.

Envolvido em alcoolismo, o cantor deu muito trabalho às pessoas que lhe eram próximas. Passava dias fora de casa, era encontrado nas ruas e há relatos dando conta que chegou a dar um carro a um taxista, após condoer-se da situação do profissional do volante.

Os compromissos profissionais foram rareando, a aparência de galã deu lugar a uma pessoa sofrida e os problemas financeiros cresceram.

O falecimento de Antônio Marcos deu-se em 5 de abril de 1992, vitimado por insuficiência hepática, em decorrência do alcoolismo.

Curiosidades
Aos 12 anos, Antônio Marcos já cabulava aulas para tocar violão, ir ao cinema e nesta época, já dava seus primeiros goles nos bares de São Miguel Paulista.

• Martinha chegou a dizer que o cantor foi um de seus grandes amores.

• O cantor chegou a bater várias vezes o carro por dirigir embriagado. Um dia chegou a bater violentamente uma Ferrari. Como estava no auge de sua carreira, 15 dias depois tinha outra em sua garagem.

O vídeo apresenta um dos grandes sucessos de Antônio Marcos, como cantor e compositor.


terça-feira, 17 de abril de 2018

Tributos - 152

Morre Dona Ivone Lara


Cantora e compositora, um dos ícones do samba, Dona Ivone Lara morreu na noite de 16 de abril de 2018, aos 97 anos, no Rio de Janeiro, por conta de um quadro de insuficiência respiratória.

Ela estava internada no Rio de Janeiro e no último dia 13, completou no hospital, seus 97 anos. A sambista estava com anemia profunda e vinha recebendo transfusão de sangue.

Conhecida como “Grande Dama do Samba”, Ivone Lara nasceu em família de amantes da música popular, mas teve de enfrentar o preconceito de ser mulher e sambista. Tanto que suas primeiras composições ela fez e passou para amigos homens, pois em sua época, mulher “não podia” compor. Um verdadeiro absurdo.

Após um acidente automobilístico do filho, o marido sofreu um infarto e morreu. Viúva, passou a dedicar-se exclusivamente a música e ao amor incondicional à Escola de Samba Império Serrano.

Teve Silas de Oliveira como um dos principais parceiros em suas composições e sua músicas foram cantadas por artistas do porte de Gal Costa, Maria Bethânia, Clara Nunes, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paulinho da Viola, Beth Carvalho entre tantos outros de destaque.

Sua simplicidade, simpatia e importância para a música fizeram com que Ivone Lara passasse a ser chamada de “Dona”. 

O vídeo mostra Dona Ivone Lara em apenas um de seus inúmeros sucessos.


Tributos - 151


Morre Paulo Barboza

Uma das vozes mais conhecidas e uma das maiores audiências do Rádio AM do Brasil, o radialista Paulo Barboza, morreu na madrugada da segunda-feira (16 de abril de 2018), em São Paulo.

Nascido Paulo Roberto Machado Barboza tinha 73 anos e foi vítima de infarto fulminante, conforme informações da família.

O radialista já passou por prefixos importantes como Record, Globo, América, Tupi do Rio e São Paulo. Quando de sua morte, Paulo trabalhava na Super Rádio de São Paulo.

Um dos maiores nomes do rádio brasileiro, o radialista exerceu sua profissão por 59 anos, fazendo um rádio popular, sem ser popularesco.

Paulo Barboza também trabalhou em televisão, tendo passado pela Tupi, Manchete, SBT, Record e Gazeta. De 2007 a 2013 foi jurado do Troféu Imprensa de Sílvio Santos.

Foi casado por 48 anos com Eliane Barboza e deixou dois filhos e três netos.O corpo foi velado no Cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra e cremado.


quinta-feira, 5 de abril de 2018

Em Família - 14


Família Sánchez

Uma das atrizes mais lindas do Brasil é Elaine Cristina, que está prestes a completar 68 anos, o que acontecerá em 13 de maio de 2018.

Elaine, que nasceu Júlia Sánchez em São Paulo, iniciou carreira aos 11 anos. Fez cinema, teatro e TV, tendo passado por importantes novelas na Excelsior, Tupi, Manchete, Globo e SBT.

A atriz foi casada por quase 40 anos com o ator Flávio Galvão.

O que pouca gente sabe é que Elaine é irmã da também atriz e jurada de televisão Gilmara Sánchez, tão bela quanto.

Gilmara, 69 anos, é atriz de teatro cinema e TV e é dubladora e diretora de dublagem.

Atuou em novelas como Sangue do Meu Sangue, A Menina do Veleiro Azul e Meu Rico Português, entre outras. Atuou também no programa A Turma do Sete, na Record.

Gilmara foi jurada de televisão de Sílvio Santos e é viúva do dublador Ézio Ramos



Flávio Galvão e Elaine Cristina


Gilmara foi jurada de Sílvio Santos


segunda-feira, 2 de abril de 2018

Mitos - 17


O GORDO E O MAGRO

Laurel and Hardy, mais conhecido no Brasil como O Gordo e o Magro, foi uma dupla de comediantes que encantou gerações a partir da primeira metade do Século XX e nos encanta até os dias de hoje.

Stan Laurel – o Magro – era inglês. Nasceu em 1890 e morreu em 1965, aos 75 anos. Já o americano Oliver Hardy – o Gordo – nasceu em 1892 e faleceu com 65 anos, em 1957.

Antes de formar a dupla famosa, Laurel e Hardy trabalharam juntos em 1917 no filme The Lucky Dog. Depois seguiram carreira separadamente, voltando a se encontrar em 1926. No ano seguinte surgiu oficialmente a dupla.

Juntos protagonizaram inúmeros filmes de sucesso, inclusive Caixa de Música, vencedor do Oscar de Curta-Metragem de 1932.

Em 1940, já consagrados, deixaram o Hal Roach Studios, passando para a 20th Century Fox e Metro-Goldwyn-Mayer, de 1941 a 1944, fazendo oito comédias. 
Porém ficaram decepcionados por não poder ter controle criativo. 

Entre 1945 e 1950 não filmaram nada, concentrando-se em apresentações teatrais, em turnê pela Europa.

O último filme da dupla foi Atoll K, em 1951. Esse filme marcou a aposentadoria da dupla. No total foram 106 filmes, sendo 40 curtas sonoros, 32 curtas mudos e 23 longas. Em 11 filmes fizeram pequenas participações.

Mortes

Oliver Hardy, em maio de 1954, sofreu um infarto e no ano seguinte, quando iria participar de uma série de TV, foi vítima de uma AVC, passando por longa convalescença, ficando acamado e paralisado, sem falar por vários meses.

A morte de Oliver Hardy deu-se em 7 de agosto de 1957, aos 65 anos. Stan Laurel, envolto a uma séria depressão, não compareceu aos funerais.
Laurel decidiu não mais trabalhar sem seu amigo, passando a escrever comédias. 
Amigos afirmaram que ele jamais recuperou-se.

O Magro viveu seus últimos dias em um apartamento de hotel. Recebia algumas visitas, inclusive do amigo Jerry Lewis. Aos 74 anos morreu em Los Angeles, vitimado por um ataque cardíaco.

Dublagens

No Brasil Oliver Hardy recebeu dublagem de Jô Soares (AIC São Paulo) e Orlando Drummond (VTI Rio). Já Stan Laurel teve a voz de Waldir Guedes (AIC São Paulo) e Waldyr Sant`anna (VTI Rio).






domingo, 4 de março de 2018

TRIBUTOS - 150

MORRE TÔNIA CARRERO


Morreu na noite de sábado (3/3/2018) a atriz Tônia Carrero, um dos maiores nomes do teatro, cinema e televisão do Brasil. Tônia tinha 95 anos e teve uma parada cardíaca durante uma cirurgia, segundo depoimento de sua neta Luísa Thiré.

Afastada de qualquer atividade e cercada apenas do carinho dos familiares desde 2013, Tônia sofria de hidrocefalia oculta e não estava totalmente debilitada em seus movimentos e não conseguia mais comunicar-se.

Conforme era o desejo da atriz, seu corpo será cremado na próxima segunda-feira. Alguns parentes deverão chegar do exterior para o funeral.

Nascida Antônia Marieta Portocarrero Thedim, foi logo apelidade de Mariinha. O pai foi militar, chegando a patente de general. Os irmãos também foram militares e Tônia, contrariando a todos, inclusive a mãe, seguiu as artes.

Aos 14 anos conheceu o artista plástico Carlos Arthur Thiré, casando-se aos 17 anos. Teve, com ele seu único filho, Cecil Thiré.

Apaixonada pelo teatro atuou em 54 peças. No cinema foram 19 filmes e deixou 15 novelas na TV.

Uma das mulheres mais lindas de sua época, Tônia encantou o Brasil por décadas e – embora afastada dos holofotes, deixa uma grande lacuna nos meios artísticos do Brasil.

  






quinta-feira, 1 de março de 2018

CURIOSIDADES - 8


David Jones e David Bowie

Nos anos 1960, dois artistas homônimos tentavam um lugar ao Sol.

David Thomaz Jones - também conhecido como Davy Jones foi um ator/cantor britânico, cuja fama deu-se a partir da metade da década de 1960, integrando o grupo The Monkees, que fez estrondoso sucesso em um seriado musical/humorístico. O ator faleceu em 2012, aos 66 anos, de ataque cardíaco fulminante, deixando uma verdadeira legião de fãs.


David Robert Jones - também britânico, foi um grande roqueiro, que integrou várias bandas. Curiosamente, atuando como David Jones, jamais alcançou sucesso. Quando mudou seu nome artístico para David Bowie, as portas se abriram. Faleceu dois dias após completar 69 anos, em 10 de janeiro de 2016, vítima de câncer de fígado.


Reza a lenda que David Bowie só conseguiu trilhar o sucesso após mudar seu nome, pois David Jones - o famoso da época - era o Monkee!

A obra artística de David Bowie, entretanto, foi infinitamente mais rica que a deixada por David Jones.



segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Grandes Programas - 13


ESSA NOITE SE IMPROVISA

Uma das grandes atrações da época de ouro da Record foi Essa Noite se Improvisa, deliciosa competição musical em que o apresentador Blota Júnior dizia uma palavra e o concorrente deveria cantar um trecho - ou a música inteira - com a referida palavra.

Numa época em que não existia o chamado game-show, pode se dizer que esse foi pioneiro. O programa foi ao ar semanalmente entre maio de 1967 a junho de 1968, com grande sucesso, pela Record, em São Paulo e premiava o vencedor, semanalmente com um automóvel Gordini.

A fórmula era simples: o apresentador dizia a palavra e o primeiro concorrente que apertasse um botão luminoso era desafiado a cantar uma música contendo a palavra. Se dissesse apenas o nome da música, ganhava um ponto. Cantando um trecho onde aparecesse a palavra, ganhava três e se cantasse a música inteira, contabilizava seis pontos. Em caso de não conseguir, poderia perder um, três ou seis pontos.

Antes de estrear, a famosa Equipe A da Record fez um teste, promovendo a atração como um quadro do Programa Hebe, em um domingo (o programa era gravado às quartas), tendo como participantes, Wilson Simonal e Nara Leão.

Hebe, então iniciou a competição dizendo: "a palavra é OSSO". Nem Simonal e nem Nara souberam alguma música contendo a palavra OSSO.

Hebe, então desafiou o público. Um senhor na plateia levantou a mão e foi chamado ao palco e cantou: "se não tem água/eu furo um poço... senão tem carne/eu compro um osso e ponho na sopa".

Aplausos e risos: os aplausos foram para a boa memória e desenvoltura do expectador e risos porque o trecho era da música Opinião, exatamente cantada por Nara Leão!

Aprovado o piloto, o programa passou a fazer parte da grade de atrações da Record, indo ao ar todas as quintas, 20h, com grande sucesso.

Fotos
Infelizmente não há registros sonoros ou com imagens do programa, mas selecionamos três registros fotográficos. Um da própria atração, com Elis Regina, Maria Bethânia e Elizete Cardoso no palco; outra é um registro da programação da Record, com destaque para o programa e uma matéria da Revista Intervalo, destacando Araci de Almeida, uma das grandes vencedoras do Esta Noite se Improvisa.


Curiosidades
• Como na época não havia as redes de TV, o programa que foi grande sucesso pela Record, em São Paulo, era transmitido no Rio pela Tupi carioca, que era concorrente.

Essa Noite se Improvisa também ficou conhecido como A Palavra É...

• No impulso de ser o primeiro, Chico Buarque apertou a campainha, mas na verdade não sabia nenhuma música com a palavra. "Malandramente" e com sua extraordinária inteligência, compôs na hora uns versos, mas depois dos protestos da plateia, os pontos não valeram.

• Dentre os maiores vencedores, se destacaram Carlos Imperial, Wilson Simonal, Araci de Almeida e Aquiles, do grupo MPB 4.

• Numa fase em que o jogo era disputado por trios, os vencedores foram Jô Soares, Renata Fronzi e Otelo Zeloni, que faziam parte do programa Família Trapo. Eles ganharam o Gordini e resolveram vende-lo para dividir o prêmio. Ficaram, naquela época, com 2,5 milhões de cruzeiros cada um.

• Quando os artistas não sabiam nenhuma música com a palavra citada, a prova era aberta ao público da plateia. Quem acertasse ganhava um radinho de pilha, cuja única frequência era a Jovem Pan. Mas o programa chegou até a premiar o público com geladeiras.